quarta-feira, 25 de setembro de 2013

HISTÓRIAS DE AMOR QUE NÃO CONTEI



HISTÓRIAS DE AMOR QUE NÃO CONTEI
No último ano de século passado, depois de grande AVC – Acidente Vascular cerebral, pelo hospital fui entregue à família em semi coma, em estado dito, terminal.
Seria assim menos um bom rapaz a cruzar-se com a irmã morte, naquela unidade hospitalar.
Estive naquele estado, cerca de quatro meses.
Nesses tive espaço de tempo de lucidez.
No entanto tinha regredido e como na adolescência me preocupei muito com amores. Sem sorrir nunca me senti triste, mas meus deuses – com quem casaria, se não tinha namorada!
Numa dessas lucubrações, a filha questionou-me assim: “pai mas nas não casaste com a mãe”?
Fez-se então luz no meu espírito, deixei de me preocupar a esse espectro.
Ficava então livre de quaisquer motivos de preocupação.
Outros sonhos podiam continuar.
Possíveis tristezas ou dissabores, estavam arredadas. Contra tudo e todos, pensava, ainda viveria dez anos, tempo suficiente para os realizar.
A lucidez continuaria intermitente, para ir pensando no futuro.
Por vezes era o passado, que passava na mente, em jeito de fita cinematográfica, onde os velhos amores se destacavam.
De facto, a determinada altura, mercê de usufruir do estatuto de trabalhador estudante, fui subindo bastante na vida, o que deu origem a várias revolução amorosas, a condizer mais com as novas posições socias, que iam sendo tomadas.
Vou referir dois casos:
- Em determinada altura, trocas de olhares, nas aulas do liceu, em breve resultaram namoro. A miúda era bastante interessante. A princípio achei que tinha feito a última conquista amorosa da vida.
A breve trecho, ela me telefonava todos os dias, para lhe esclarecer dúvidas sobre todas as lições recebidas na aula. Depressa vi que, a minha nova namoradinha, era um cepo mental.
Porém o namoro continuou, passamos a nos encontrar em deambulações noctívagas pela cidade. Os tempos eram outros e beijar era um caso muito sério.
Tinha até já ouvido, a uma grande senhora a seguinte frase: “quem beija faz o resto”.
Dado o andarmos tardiamente nas ruas da cidade, bastantes vezes, não se via viva alma.
Eu pedia um beijo que sempre foi negado, até que lho roubei.
O que fiz?
A garota desatou a chorar, como se fosse desabar o mundo. Senti-me culpado e julguei que ia ali acabar o namoro.
Mas não, beijar nunca mais, mas ficaria com a hipótese de ser eu a vir a acabar.
Aconteceram mais alguns encontros noctívagos. Era hábito, levá-la à porta.
Em determinada ocasião, eram cerca de onze horas da noite, passávamos à porta de familiares seus, ela deixando-me na rua, a olhar para a lua, disse: “espera um pouco, vou visitar os meus primos volto já”.
Tanto bastou para eu zarpar. Telefonou depois, para me ouvir – o namoro acabou!
Depois de vários, namoros, veio o último.
À época a trabalhar num escritório de zincogravuras. A casa tendo cerca de quarenta empregados, nenhum era do sexo feminino. Eu era coordenador de todo o expediente.
Dali ideias de namoros não podiam sair.
Como tinha já arreigada a ideia de procurar a perfeição e era considerado, podia fazer horas extras a meu talante. Assim, até nas duas horas de almoço, à excepção de quinze minutos, trabalhava.
Funcionava a verdadeira Internet desse tempo, a revista PLATEIA, da conceituada Agência Portuguesa de Revistas.
Como dispunha de pouco tempo, seguindo bastantes exemplos, coloquei anúncio na secção de namoros.
Dentre as várias respostas, seleccionei uma.
Namorei a escolhida, de acordo com ela viemos a trocar um beijo às escondidas, exactamente numa galeria do metropolitano. Ficou o caminho aberto para mais outros, sempre às escondidas, até ao matrimónio, segundo os ritos da Santa Madre Igreja.
O ritual do namoro, esse teve origem num anúncio da, há muito, extinta revista PLATEIA.
Em bastantes namoros, mãos dadas, era sempre fruto proibido.
Devo mencionar a figura do “pau de cabeleira”, que acompanhava sempre os pombinhos, não fossem o mesmos perderem-se.
Sobretudo, no último namoro, fui eu, pobre de mim, a pagar três bilhetes por sessão, o que coarctava qualquer gesto de mais terno.
Outros tempos, no século passado!
Daniel Costa
 
 
 

 

 

4 comentários:

Zilani Célia disse...

OI DANIEL!
MUITO LEGAL, DE TEUS ESCRITOS PODEMOS TER NOÇÃO DO QUANTO OS TEMPOS MUDARAM.
HOJE OS JOVENS TEM TODA A LIBERDADE O QUE É BOM, MAS OS TEMPOS PASSADOS TINHAM SEUS ENCANTOS.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Atelier Lita Duarte disse...

Outros tempos: outras histórias.:)

Zilani Célia disse...

OI DANIEL!
PASSANDO PARA TE DESEJAR UM BOM FINAL DE SEMANA.
QUE ESTEJAS COM DEUS.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Tais Luso disse...

Oi, Daniel, que tempos lindos que não voltam mais... Hoje, amigo, tudo é descartável, as coisas acontecem num abrir de olhos, nada mais tão romântico como em tempos de outrora.
Gostei da história...
Beijo!