sábado, 4 de abril de 2015

POEMA DE FRANCIGELA CLARINDO

A Francilangela que vinda de São Paulo, nos honrou em Lisboa, no Dia de Camões, junto à sua estátua.

 

30 anos da APP

30 anos da APP
A APP
Associação Portuguesa de Poetas
Faz hoje neste 3 de abril
30 anos varonil.
 
Abril de sonhos
De lutas
De mudanças
De esperanças.
 
Abril de Abril
De Portugal
Dos portugueses
Da poesia.
 
APP dos associados
Do povo
Do canto
Inventado e novo.
 
As tertúlias em ti habitada
Povoa cada coração ali presente
Viaja para o poema encontrar
Em solo ardente.
 
Vibrante
Avante
Contente
Constante
 
Em teu seio que tive o prazer de me embalar
Vivi sonhos, cores, cantos
Em doces mantos
De verde e vermelho.
 
Uma história de 30 anos
Que só um pouco vivi
Mas por uma longa vida
Contigo muito aprendi.
 
Amigos valorosos
Que buscam e levam
Poemas em poesia
Para todo canto.
 
Com encanto
Amor
Disciplina
Irreverência
 
Seja na hora da tertúlia
Ou depois dela
Ou mesmo no café se ali estivermos juntos
O poema fala por nós.
 
É doce e salutar
Com tua gente estar.
É bom conviver contigo
E provocar doces sorrisos.
 
Em solo fértil
Cantar forte
Gente brava
Verso marcante.
 
A poesia vivi
Em toda tertúlia onde fui
Em cada verso que ouvi
E me encantei.
 
Foi lá no Vavá
Tertúlia com poemas e poesia
Pastel de nata e café
Ou outra especiaria.
 
Na sala vip do Sporting
Outro momento especial
Com mais um grupo de amigos da APP
Num lugar fenomenal.
 
Foi bem lá neste ambiente tão legal
Que poema declamei
Da Conceição Oliveira
E de Maria Alice Ferreira.
 
Com Pais da Rosa
Nas cavalhadas em Viseu
Mais um grande dia
Aconteceu.
Ainda em Viseu numa visita ao museu
Doce momento aconteceu
O Fernando Abreu
Avisou-me de uma leitora que me reconheceu.
Imagina a emoção que senti
Em terras de um Portugal tão distante de casa, do meu Brasil
Com um oceano a atravessar, além-mar
Uma leitora de meus textos encontrar.
Com o cheirinho dos gerônimos na mente
Presente pelas festas de São João
O passeio a pé fazer
A cidade conhecer.
 
Em Massamá
Poetas nascendo por lá
Na tertúlia aprender
Como o poema fazer.
 
No Palácio de Queluz
Um cachecol ganhei
Vinho do porto tomei
Pelas mãos da graciosa premiada Maria um momento que amei.
 
Muitos outros lugares por onde andei
Que minha memória guarda com carinho
Para lembrar vez aqui vez ali
Como um miminho.
 
Voz doce que Maria Melo me disse ter
Maior era o meu prazer
Declamar entre vós
E convosco aprender.
 
Amigos que fiz
Com eles sorri
Bons momentos vivi
E uma longa estrada percorri.
 
Tudo pelo poema
Pela poesia
Pela estar junto
Encantando a si e ao outro.
 
O Carlos Cardoso Luis
Amigos como este
Tive a felicidade de encontrar
E em teu seio APP poemas partilhar.
 
Com Maria Melo não há jeito
mais belo, feminino e forte
de a APP levar
a todo lugar.
 
O canto da Beatriz
O jeito Aline de ser
O Alentejo da Felismina
Além do jeito maravilhoso de seu arroz fazer.
O Mário Bragança
Que tantos poemas seus me ofereceu
Tão belo seu falar
Da família seu cantar.
A forma de poetar magistral do Fernando Afonso
O carisma do Pais da Rosa
A firmeza da Tereza
O encanto da Ção.
 
Foi esta artista nata que vi
Tal alcunha receber
E veja só que surpresa
Ela assim não se reconhecer.
E sobre o jogral da APP
Não posso deixa de falar
Sob aquele cachecol que onde vai
Tem a missão de a todos encantar.
 
Os poemas da Celeste
As flores de Anabela
A vivacidade de Giesta
E o vicejar de Júlia.
 
Ah! Não canso de lembrar
Cada coisa boa que fiz
Ao lado de amigos queridos
Que na APP conheci.
 
A bela Raquel
Também o Antonio
Que em teu lugar
Partilhou seu sonho.
 
Também através de ti
A Palmira conheci
E com Conceição Oliveira
Mais uma lembrança reparti.
 
A Ana Matias
Com seu belo trabalho
Enseja cantos vários
Do despertar poético do ser.
 
A Cynthia Porto
Que no Brasil conheci
E tive o grande prazer
De em ti rever.
 
O Daniel Cordeiro Costa
Que logo seu livro
O prazer de lê-lo e tê-lo
Tive no Nicola.
 
E assim tantos outros
Que com eles convivi
Ouvi e senti
E sua poesia conheci.
 
Parabéns pelos 30 anos
Que por mais tantos outros
Permitas aos poetas
Seus poemas apresentar.
 
Francilangela Clarindo
 
De São Paulo de visita a Portugal - sócia da APP - participou na tertúlia no poética,  junto a estátua de Luiz de Camões.

1 comentário:

Pedro Luso disse...

Boa noite, caro Daniel.
Parabéns pela postagem (e pelo poema) em homenagem a esse importante aniversário, que ajuda a manter viva a poesia.
Grande abraço.