terça-feira, 8 de setembro de 2015

FIGURA INESQUECÍVEL

               

FIGURA INESQUECÍVEL 

 - Livros, uma abertura ao mundo

Das figuras de vida, bem vistas as coisas, se as prioridades não fossem apenas as brotadas do acaso, o tio Miguel, de seu nome completo Miguel António Foz, teria de ser número um.
Da facto o seu pai, meu avô materno, já se chamava Miguel Foz.
Morreu precocemente, com vinte e seis anos, deixando quatro filhos, comprado alguns pedaços de terreno, consolidando o nome de Casal do Foz, onde terá mandado construir a primeira,  verdadeira, casa,de habitação.
O tio Miguel tinha casado com uma senhora viúva, proprietária de uma pensão, em todo um prédio, o mais alto de Peniche, bem no centro da então vila, com quatro andares, um espanto!...
A tia Elvira era um pouco mais velha e tinha já uma filha, a Glória em idade de namorar.
Em resultado, devido a uma destas patologias, pouco amigas de pessoas que ultrapassaram os "entas", o tio Miguel ficou viúvo.
Ainda tentou manter e gerir a pensão, no entanto a alma da mesma, a tia Elvira já não pertencia ao mundo dos vivos e o negócio acabou por se tornar inviável, até porque os familiares da defunta, ainda esta estava em câmara ardente, imediatamente desviaram muito recheio, como talheres, tachos e outros apetrechos necessários à laboração.
Em resultado, o viúvo viu-se na contingência de trespassar a pensão, onde morava e recolher os pertences pessoais. Deles constavam  e um baú recheado de livros, fechado a cadeado.
Todo este material esteve armazenado  no  sótão da casa dos meus pais, por cima, onde os filhos, rapazes, tinham o seu dormitório.
Acontecia, ter os meus doze anos e "devorava" todas leituras, que ia conseguindo. Tinha lido todas as revistas que o meu avô paterno tinha guardadas, livros que conseguia na paroquia, adequados à minha tenra idade, mas "queques" para o meu gosto, muito o jornal do Seminário de Coimbra, o "Amigo do Povo", que o pai recebia semanalmente, como assinante anual, a pagar por cada um desses períodos a quantia 5$00.
Este tinha rúbricas interessantes, como o "Tio Ambrósio e o Carlos ao Calor da Fogueira ou à Sombra do Castanheiro", consoante fosse Inverno ou Verão.
Vai daí um dia pensei, em como abrir o baú do tio.
Pela "surra", experimentei o cadeado com um arame e não é que estava ali um manancial de livros à minha disposição?
A partir daí, passei a ter bastante para ler, durante muito tempo, pois só dispunha de tempo livre à noite, de dia já trabalhava, a sério no campo de sol a sol.
Devorei avidamente, com a tenra idade de cerca de doze anos, livros como o grande volume de Ferreira de Castro, "A Volta a Mundo", "Gaibéus, "Marés" e "Avieiros", de Aves Redol, encadernados em conjunto, "Darwin seu Saber e seus Erros", ensaio sobre a sua teoria da evolução do homem.
Muitos outros interessantes, de que não me lembro nomes, mas sei o quanto ali bebi de cultura:
- Fiquei a saber algo, como sobre a lenta progressão rumo à canonização de um santo, um volume critico sobre as aparições de Fátima, outro sobre a Segunda Grande Guerra, Santa Filomena, um romance, género do Daniel Delfoi, publicada em capítulos num jornal, depois encadernado.
Recordo um policial, tendo como personagens dois irmãos; um polícia a investigar uma série de roubos; outro estabelecido com uma ourivesaria, a namorar uma tal Veronice, um pedaço de mulher, muito frívola, capaz de sugar rios de dinheiro. 
Este tinha chegado à necessidade de recorrer a assaltos, para poder satisfazer todos os caprichos da sua amada.
A amizade e os encontros com o irmão, de quem era muito amigo, passaram a servir para saber o andamento a investigação.
Rematava sempre, em fim de conversa: "Ourivesaria e Veronice são o meu mundo".
O epilogo acaba por ser dramático, o policial descobre que o gatuno, que procurava era o próprio irmão.
Contrariado, cumpriu o dever de o entregar a justiça.
O que aprendi terá resultado, porque muito naturalmente, passei a referir assuntos desconhecidos na minha aldeia.
As pessoas até acreditavam, porque saíam espontaneamente, porém não raro perguntavam:
- Onde aprendeste essas coisas rapaz?
- Ressaltava então, um olhar modesto, enquanto fugia a mais interrogativo?
Só muito mais tarde, com as aulas liceais, vieram muitas respostas que ficaram a pairar nas minhas cogitações.
Devo dizer que atribuo muito da minha formação a esta circunstância, a tal ponto que, como trabalhador rural, comecei por fazer os dois primeiros anos do liceu, em apenas num ano, a trabalhar para pagar a escola particular e mais dois cursos. Acabei por ser dispensado da oral.
Mesmo com esta bagagem de baú, olhando o passado, não devo continuar modesto, acima da média e exclamar:
- Um êxito!...
Evidentemente, se sempre gostei do tio Miguel, ele passou a ser um ídolo, tanto mais que adotei o seu nome como pseudónimo (registado), em Diretor executivo, da minha Revista FRANQUIA  e de bastantes escritos, dos anos setenta.
Homenageava o tio Miguel e o meu avô, com o mesmo nome, recordado, pelo filho mais velho, o tio José Miguel, que também apreciava, assim como a tia Lourdes, a cuja celebração de noventa anos tive o prazer de assistir.
Depois, com uma certa dose de emoção, poder realmente dizer:
- Presente!...
 
Daniel Costa

Sem comentários: