sábado, 31 de dezembro de 2016

Prefácio - ROSA SILVA


APRESENTAÇÃO

“Eleva-te a ti, elevarás a sociedade", escreveu alguém.
Na verdade a frase tem algo que importa reter, pelo seu conteúdo humano – filosófico.
A autora Rosa Silva, neste seu currículo, tem por força, de ser vista neste sentido.
Neste seu livro, pode ser lido: “sonhar é uma faculdade do ser humano”. Nada mais certo do que o conteúdo desta frase, o que fica aqui bem demonstrado.
Como todos nós, praticamente, já dependemos ou vamos depender algum dia, de serviços de enfermagem, devemos ter apreço por um trabalho deste tipo, visto que diz respeito a todos, para não dizer à humanidade.
Este trabalho, além de ser a garantia que alguém tem o altruísmo, de encetar uma carreira de utilidade, não diria pública apenas, porque há a acrescentar-lhe a componente humana.
Assim o conteúdo deste livro interessa a todos, na medida, em que todos somos, potenciais utentes de cuidados de saúde, particularmente aos que abraçam uma carreira em serviços de saúde, pelo exemplo de verdadeiro sacerdócio, que do conteúdo do livro se pode tirar.
Quem, porventura, passe por serviços hospitalares, ou até por médico – sociais, também pode ficar com uma grande esperança e razão, do dever de ser paciente para com os seus servidores, que têm elementos de elevado grau de prazer de humanidade, como fica aqui demostrado por Rosa Silva.
Porque todos, devemos ir mais além, de romantismos ficcionais, nas nossas leituras, o presente livro recomenda-se, por ser é uma prova de que, tudo nos trás um conhecimento de significativo da vida, no caso, de quem se dedica a torna-la mais agradável sob o ponto de vista da saúde.
Eis Rosa Silva, que pode surpreender, os menos atentos às coisas da elevação da sociedade, por certo muitos, na viagem pelo mundo dos cuidados de saúde.

Daniel Costa


 DEDICO O PRESENTE LIVRO:


À eterna saudade de minha mãe Maria Adelaide, de quem guardo as melhores e mais gratas recordações;

A minha irmã, Arminda Silva, pelo grande incentivo a abraçar a carreira de enfermagem.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

16ª. ANTOLOGIA EM QUE PARTICIPO

XX ANTOLOGIA  APP 2OI6, DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POESIA. 
... DE QUE FAÇO PARTE, COMO ASSOCIADO
Ao mesmo tempo a 16ª. em que participo.

Foto de Daniel Costa.

MONTEMOR – o - VELHO

Da cultura é espelho,
Que se reflectiu no Munda,
Montemor – o – Velho
Rio Mondego de corrente fecunda,
Oh!… Munda de outrora, banhas o concelho,
Espraiando cultura profunda
Sentida, até nos arrozais com brilho
Que nos teus poetas é explicanda,
Afonso Duarte, poeta de moldura e caixilho,
Na casa que o seu espírito comanda,
 Ereira que dos arrozais é, toalha
Biblioteca, veneranda
Tendo o poeta como evangelho
Poderá dizer-se, alma profunda!
O velho castelo, relíquia, estribilho
 Cultura museológica é de leccionanda
A recordar árabes e moçárabes, trilho!
Abade João, voz ecoando, intervinda
Montemor – o – Velho,
Vila linda!

Daniel Costa


sábado, 17 de dezembro de 2016

Foto de Daniel Costa.

TAMBAÚ - JOÃO PESSOA

Um permanente estado de sonho pode sempre pressupor o caminho para a realidade.     
Foi o que aconteceu com Teodósio de Mello, que de tanto imaginar, sonhando e pesquisando sobre a colonização do Brasil iniciada em 1500, acabou por se decidir viajar até às costas do Nordeste brasileiro.
Pelo que foi sabendo e admirando, aquele sertão, no seu atraente folclore, na sua cultura étnica, que o tornava distinto a merecer um estudo aprofundado, sobretudo em vista da participação portuguesa, posterior à descoberta de terras de Vera Cruz, pelo grande navegador Pedro Álvares Cabral.   
Decidiu então viajar para a Paraíba, sabendo que faz parte a sua capital, a cidade de João Pessoa, com a sua Ponta do Seixas, onde o sol nasce mais cedo, nas Américas.      
Depois, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento, recebeu o título de “segunda capital mais verde do mundo”, depois de Paris. 
Acresce ainda que, fundada em 1585, com o nome de Nossa Senhoras das Neves, João Pessoa, é a terceira capital de estado, mais antiga do Brasil, depois de Salvador e Rio de Janeiro.      
Uma vez chegado ali, Teodósio de Mello, veio a hospedar-se num hotel de Tambaú.
Com uma praia lindíssima. Aliás, viu que toda a zona é fascinante.
A cidade é considerada uma das melhores do mundo, para se viver a aposentadoria.

Daniel Costa




segunda-feira, 21 de novembro de 2016

domingo, 20 de novembro de 2016

POEMA DE AMIZADE



A poetisa 

Na verdade o bonito poema, denota bem a bondade da poetisa, que bem gostaria de merecer. Porém, fica o minha gratidão. 

Daniel Costa




domingo, 16 de outubro de 2016

CRUZAMENTO COM O CRIME




CRUZAMENTO COM O CRIME

(embora entretanto, tem saído mais Antologias em tive participação, passo a deixar a presente)

No âmbito do do primeiro, ocorrido ontem, 15/10/2016, no TEATRO EDUARDO BASÃO, no Bombarral, o Evento do Núcleo de Letras e Artes de Lisboa, foi lançada a Antologia SALVADOR AO BOMBARRAL, que participei com a recolha literária CRUZAMENTO COM O CRIME:
CRUZAMENTO COM O CRIME

Se a estrada Peniche – Lisboa, visava o transporte do pescado, daquele grande porto piscatório, para a capital, Lisboa, era mister que o produto chegasse também a outras zonas do pais e nada como o caminho-de-ferro, o transporte por excelência do princípio de século passado.

No areal da praia de Peniche, se bem me lembro, onde hoje se situa a zona portuária, ainda nos anos cinquenta, era possível detectar linhas assentes, por onde havia de circular o comboio e teriam feito parte de uma estrutura planeada para o efeito.
O projecto foi abortado e vários abegões (tratadores e trabalhadores com bois) do concelho, com os seus bois jungidos aos respectivos carros, continuaram ainda a fazer o transporte para a estação ferroviária de S. Mamede, Bombarral.
Do porto de Peniche a S. Mamede distarão cerca de quarenta quilómetros, percorridos em linha recta por entre declives vários, atravessando, uma zona a que se dá o nome de Sezaredas, um comprido cerro onde abunda a pedra e muito mato.
Podemos imaginar o quão era difícil a vida desses abegões, que tinham de se levantar de madrugado para tratar de alimentar os ruminantes. Porém, o peixe era mister chegar fresco à estação para ser expedido para diversas zonas do país.
Conheci alguns desses esforçados homens do transporte do pescado de Peniche, a quem procurei indagar pormenores.
Na mesma época, o pastor de ovelhas, Francisco Caiado, a não regular bem da cabeça, cumpria serviço militar em Lisboa. A determinada altura veio à aldeia em gozo de férias. O transporte corrente, à época, era o comboio e a estação mais próxima da aldeia da Bufarda, Peniche, era a de S. Mamede distante dali, cerca de trinta quilómetros a corta mato.
Chegada a altura de se apresentar no quartel, meteu-se a caminho para a estação, invariavelmente, a de S. Mamede, Bombarral.
Naqueles tempos, os caminhos podiam ser perigosos, podia-se calcorrear os trinta quilómetros sem se avistar viva alma. No caso dos abegões, juntavam-se sempre vários que podiam partilhar ajudas, a dominar possíveis intempéries e outros perigos, numa assinalável entreajuda.
No caso, Francisco Caiado percorria o longo e perigoso caminho sozinho. Aconteceu que em determinada zona de matagal, saltaram-lhe dois meliantes ao caminho e apontando um caso macabro: 
- Metido mais adentro do mato estava um homem morto dependurado, este mesmo fardado de militar, estremeceu e logo temeu pela sua vida.
Encolhido, sem pinga de sangue, ouviu a pergunta destes: 
- Vocemecê conhece aquele homem que está ali dependurado?
- Não!...
- Apressou-se logo a dizer!
- Então siga o seu caminho e, não diga a ninguém o que viu.
De imediato, acelerando o passo, Francisco Caiado desandou!


Daniel Costa

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

PORTUGAL CAMPEÃO DE FUTEBOL, DA EUROPA 2016




PORTUGAL CAMPEÃO DE FUTEBOL DA EUROPA 2016.

Como trabalhador (cavador, cheifeiro, e etc.), depois empregado de de balcão, de bar. Depois empregado de escritório, no mesmo, entretanto, fui coordenador de todo o movimento, em cerca de 3 anos, já sai já como chefe de escritório. Depois coordenador editorial. 
"Explorando" cerca de 200 patrôes, cheguei à conclusão que nenhum me valia, pelo que criei a FRANQUIA - Revista Filatélica Portuguesa, que editei e dirigi cerca de 30 anos. 
Acumulei serviços de Freelancer. 
Hoje sou escritor com 10 livros publicados em 5 anos, mais 3 escritos para serem publicados. E figurando em 12 antologias.
Congratulo-me, pois, que a filatelia, sendo ciência auxiliar da história, fixe a grata comemoração de Portugal campeão Europeu de Futebol 2016, puxando pela autoestima do povo de Portugal.
Após este meu sintetizado currículo, fico deveras à vontade para propor o seguinte: criemos o partido chamado REVOLUÇÃO, PELO VOTO DA EUTOESTIMA, tendente a reduzir o peso do Estado, pelo menos, em metade. Já que as élites actuais valem zerooooo.
Podem contar comigo, na retaguarda!
VIVA PORTUGAL!...

Daniel Costa

sexta-feira, 17 de junho de 2016

RELATORIO


RELATÓRIO
Faz dia 26 deste mês de Junho 16 anos que sofri um AVC – Acidente Vascular Cerebral. O mesmo ocorreu cerca das 9.00 horas, depois de ter trabalhado, desde as 6.00 horas em jejum, o que era já factual, sete dias na semana.
Logo a seguir, fui já em coma, para o hospital, donde vim a sair, depois de uma estadia de 45 dias: 30 dias em como e 15 dias em cuidados intensivos, em semi coma. Neste estado tive alta, por nada se esperar da minha vida. Era acompanhado do presente relatório médico e duma lista de lares, para acamados.
Contra tudo e todos, fui trazido para casa.
Para recuperar, houve várias causas, entre as quais uma causa:
- A revista Franquia, que criara, editava e dirigia. A mesma criação era como um filho, já nos cuidados intensivos, a determinada altura sonhei ver a revista atravessada na minha cama de hospital.
Depois já em casa, sempre pensava voltar a editar a revista, o que aconteceu 6 meses depois, mas feitos 4 números, tive de desistir.
Assim, aconteceu o dia mais triste da minha vida.
Entretanto, 3 meses depois de ter tido alta do hospital de Santa Maria, em Lisboa recomecei a minha colaboração, para a CRÓNICA FILATÉLICA, de Madrid.
A colaboração que elaborava numa manhã, passou a demorar, todo o mês.
A empresa da CRÓNICA faliu em 2006.
Apenas em Dezembro de 2007 achei que podia manipular a Internet, até então tinha PC, como ferramenta de trabalho que já vinha de 1996.
Depois de dormir, irresistivelmente, 18 horas / dia, durante 6 anos e ter 7 a faculdade do sorriso perdida,
Em 2007 virei escritor!
Vim a publicar os meus primeiros livros, já aos 70 anos.
Agora estou com 10 livros publicado, mais um programado a sair no próximo mês de Julho, na razão de 2 livros por ano.
Mais dois escritos e partição em 11 Antologias, uma das quais do Brasil, de contos, em que ganhei o direito de participar, ficando num grupo 20, seleccionados entre 536 escritores participantes.
Um AVC, da dimensão do que sofri deixa sempre sequelas, pelo que agora digo:
Sofro de uma patologia de estimação!
Recomendo:
É sempre forçoso crer na reabilitação, nunca se dando por vencido.
Exemplo:
- Cheguei a demorar cerca de 15 minutos, para enfiar as cuecas, mas o fiz sempre em pé até conseguir, o que ainda hoje faço, já bem evidentemente.
O permanente exercício físico é o caminho certo, para qualquer humano. Mais de falarmos de AVC.
 
Daniel Costa
 

sexta-feira, 4 de março de 2016

PROMOÇÃO DE LIVROS





Daniel Costa é jornalista especializado em filatelia. Criou a revista Franquia que dirigiu e desenvolveu durante cerca de 30 anos.
Tem trabalhos publicados em duas línguas, além do português. Como especialista, fez parte de vários júris de exposições filatélicas, em Portugal e Espanha.
 Como escritor, publicou: “Lisboa Café”, Papiro Editora; “Amor na Guerra”, Editora Alfarroba (o qual motivou Conferência, a convite, no Museu da República e da Resistência, em Lisboa); “Poemas  para um Homem só”, Papiro Editora; “Poesia ao Ritmo do Optimismo”, Editora Alfarroba; “Encontros Luso-Brasileiros de Poesia” (em co autoria com a poetisa brasileira Ma Socorro), Papiro Editora; “Tejo Horte” (ensaio policial), Editora Alfarroba; “Sonho, Emoção e Poesia”, Editora Alfarroba; “Eu e Você”, Editora Alfarroba, “Top Secret Olavo” (novela policial), Editora Alfarroba, “O Pescador de Pérolas”, Editora Alfarroba.
Tem poemas e trabalhos de ficção publicados em dez antologias, de Portugal e Brasil.
É Académico Correspondente da ALAF - Academia Internacional de Escritores e Artistas, de Fortaleza – Brasil.
 
O MEU 10º. LIVRO - "O PESCADOR DE PÉROLAS" - TEM O PREÇO DE CAPA – 12.50 €UROS
 
Para o BRASIL: 55 Reais
 
Envio para qualquer país
 
Preços incluem custo de correio
 
Mande morada:
Pagamentos: depois de recebido o livro, que incluirá nota a informar de como fazer o pagamento.
 
Daniel Costa – escritor
 
 
 

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

CURRICULO 08/02/2016



Daniel Costa é jornalista especializado em filatelia. Criou a revista Franquia que dirigiu e desenvolveu durante cerca de 30 anos.

Tem trabalhos publicados em duas línguas, além do português. Como especialista, fez parte de vários júris de exposições filatélicas, em Portugal e Espanha.

 Como escritor, publicou: “Lisboa Café”, Papiro Editora; “Amor na Guerra”, Editora Alfarroba (o qual motivou Conferência, a convite, no Museu da República e da Resistência, em Lisboa); “Poemas  para um Homem só”, Papiro Editora; “Poesia ao Ritmo do Optimismo”, Editora Alfarroba; “Encontros Luso-Brasileiros de Poesia” (em co autoria com a poetisa brasileira Ma Socorro), Papiro Editora; “Tejo Horte” (ensaio policial), Editora Alfarroba; “Sonho, Emoção e Poesia”, Editora Alfarroba; “Eu e Você”, Editora Alfarroba, “Top Secret Olavo” (novela policial), Editora Alfarroba, “O Pescador de Pérolas”, Editora Alfarroba.

 Tem poemas e trabalhos de ficção publicados em nove antologias, de Portugal e Brasil.

É Académico Correspondente da ALAF - Academia Internacional de Escritores e Artistas, de Fortaleza – Brasil.

 

sábado, 9 de janeiro de 2016

MITALAIA - O PESCADOR DE PÉROLAS


O PESCADOR DE PÉROLAS

O meu décimo livro (poesia), há leitores a falarem bem da obra.

Seja um deles: envio sem custos de correio.

Preço do livro – 12.50 €uros.

Contatos ou pedidos: telf – 932795115

Ou Mail – dan.costa@zonmail.pt