segunda-feira, 14 de agosto de 2017

1984 - Maria Guinot - Silêncio E Tanta Gente



Silêncio e Tanta gente, da própria Maria Guinot que, apurada em  concurso, a levou ao Festival da Eurovisão.

sábado, 12 de agosto de 2017

POSTAIS ROMANCE DO LUACHIMO

Foto de Daniel Cordeiro Costa.Foto de Daniel Cordeiro Costa.Foto de Daniel Cordeiro Costa.Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.

11 POSTAIS ROMANCE DO LUACHIMO

O presente grupo de 11 postais ilustrados, que há cerca de 50 anos, fazem parte do meu acervo particular, exercem particular recordação.
1º. - Porque em 1963, estando em Angola, na guerra do ultramar, conheci a oportunidade de visitar o rio Luachimo,
2º. – Porque, no mesmo âmbito, visitei o museu etnográfico da Cidade do Dundo, onde foram fotografados os motivos das máscaras, cujos originais observei.
3º. – As reproduções, e a impressão, em rotogravura, a sépia (creio que dos últimos trabalhos impressos em Portugal por esse meio), na Bertrand & Irmãos, no Dafundo, que deu lugar à Imprimarte, em Queluz de Baixo.
Os postais eram de apoio publicitário ao filme ROMANCE DO LUACHIMO, da autoria do Major Baptista Rosa, para a Diamang – Dundo, com quem cheguei a participar num almoço.

Imagens a saber:

          1 - Tipo de notável quioco
          2 – Pormenor de bastão. Trabalho quioco (Museu do Dundo)
3 – Máscara quioca Mwana wa pwo (Museu do Dundo)
4 – Pormenor de cadeira. Trabalho quioco (Museu do Dundo)
5 – Máscara quioca Tshihongo (Museu do Dundo)
6 – Rapariga quioca, com penteado característico
7 – Mascarados cacongos
8 – Dançarina luba
9 – Quiocas pescando num pego do rio Licoco
10 – Kambom, dançarino luba
11 – Dançarina luba

A impressão teve o número de obra 1476. Todos os postais têm o número, o mesmo que dizer: eles serviram de controlo de qualidade.

 Daniel Costa


sexta-feira, 14 de julho de 2017

quinta-feira, 11 de maio de 2017

CARIMBO COMEMORATIVO

Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.

Foto de Daniel Cordeiro Costa.
CARIMBO CARIMBO COMEMORATIVO


No dia 15 de Janeiro de 1974, saiu o número - UM - de FRANQUIA - Revista Filatélica Portuguesa. Em 15 de Janeiro de 1979 promovi o seu 5º. Aniversário, solicitando à Direcção de Filatelia dos Correios, a criação de Carimbo Comemorativo (o suporte, envelope, que criei para o efeito, por erro meu, tem 1978). A primeira versão, a primeira da Filatelia Lusófona a ser apresentada com capa a cores e feita em ofsset. Por ser altamente deficitária, a primeira acabou no número 37.
Com o mesmo registo, seguiu-se outra versão, diria "comercialona", que teve efectividade até número 223, propriamente até 2001. Acabou por AVC de extrema gravidade.
Além de outros troféus, como Director da mesma, Nacional e Internacionalmente, foi premiado com cerca de CINQUENTA MEDALHAS, que vão de Cobre a Prata Dourada. 
Até 2006, continuei a escrever sobre filatelia como Freelancer, nomeadamente para Revista FILATELIA, de Madrid, Espanha.
Depois passei a escritor.
A FRANQUIA, é a marca da minha vida, que pode ser aqui visionada, em três imagens marcantes: um dos três volumes, encadernados da primeira versão, o envelope com o carimbo comemorativo dos Correios (que os catálogos, da especialidade marcam) e o último número de FRANQUIA - Bolsa Jornal.

Daniel Costa

domingo, 30 de abril de 2017

BATALHÃO 350 - ALMOÇO DE CONFRATERNIZAÇÃO 2017

BATALHÃO 350 - ALMOÇO DE CONFRATERNIZAÇÃO 2017

No meu diário pessoal, da estadia da Guerra Colonial, Janeiro 1962 a Abril de 1964 (regresso a 1 de Abril), escrevia assim, simplesmente, em 29 de Abril de 1962: “hoje apenas joguei cartas e futebol”. Estava o Batalhão na região dos Dembos, sediado concretamente em Muxaluando.
Foto de Daniel Costa.
A foto de família, com algumas falhas

Foto de Daniel Costa.
Zuzarte, Sousa (não está na foto de familia), Araújo e  Daniel Costa - da esquerda para a direita

Foto de Daniel Costa.

Maia (não aparece na foto de família) e Zuzarte - da esquerda para a direita

Foto de Daniel Costa.
Antero Sampaio

Ontem o Batalhão voltou a reunir, no habitual almoço de confraternização, no Restaurante POR DO SOL, nas proximidades da cidade de Pombal.
Apresentaram-se cerca de 50 pessoas, algumas, delas familiares de ex-combatentes. De notar a presença de Mimi Alves Ribeiro, filha do prestigiado, General João Ramiro Alves Ribeiro, que comandou o Esquadrão 297, do Batalhão 350.
Pelo quanto o saudoso General pugnava, por estas reuniões anuais, a sua memória bem merece ser recordada na pessoa da sua filha.
De notar que ninguém se apresentou a representar o 352 e do 351 estavam apenas 3 elementos.
De um modo geral, embora o Batalhão fosse constituído por elementos de todo o país, só estavam presentes elementos oriundos das regiões do Porto e de Lisboa.
Do 297 estiveram:
- Maia, 1133 (?), Zuzarte, António Elias (Bombarral), Araújo, José Bento (Cadaval), Sousa, Daniel Costa (centíope).
Foram contados alguns episódios de segundo comandante, Major Caldeira, quem apelidava de “pai da cuca” por ser um bom bebedor de cerveja. Este ficou preso em Luanda e veio a falecer em Lisboa, miseravelmente, ao que consta.

Daniel Costa