domingo, 25 de abril de 2010

Mundo e Vida

REVOLUÇÃO DE 25 DE ABRIL

Festeja-se com feriado Nacional a Revolução de 25 de Abril de 1974, que acabou com o chamado Estado Novo, uma ditadura verdadeiramente militar.
Também se chama Revolução dos Cravos, porque essa flor foi muito a simbologia. Apareceram muitas dessas flores, até em canos de espingardas, da qual vou apresentar uma foto emblemática, que terá corrido mundo.
Curiosamente conheci e falei com o respectivo fotógrafo, no seu próprio atelier em Lisboa.




Além das fotos da Internet que deixo, reproduzo as palavras que preencheram toda a capa da edição das 12 horas do dia 25 de Abril de 1974, do extinto jornal “A CAPITAL, figura no meu arquivo:

“GOLPE MILITAR

“MOVIMENTO

DAS FORÇAS

ARMADAS”

DESENCANDEIA

ACÇÃO

DE MADRUGADA”

Faz hoje 36 anos que o dia foi de euforia, verdadeiro pandemónio.
A partir da tarde as comunicações telefónicas eram impossíveis pelas muitas vozes que se faziam ouvir.
De tarde o povo saiu à rua em massa a vitoriou o triunfo da Revolução, contra um regime que se baseava na censura.
Viria a ser a causa próxima do acabar com a guerra de África e com ela o colonialismo.

Daniel Costa

quarta-feira, 14 de abril de 2010

nundo e vida

PAIS E MÃES

A EDUCAÇÃO DOS PEQUENINOS HOMENS E MULHERES


PAIS e MAES - A EDUCAÇÃO DOS PEQUENINOS HOMENS E MULHERES, em edição da FRONTEIRA DO CAOS – EDITORES, tendo como autores Cidália Laranjo e Francisco de Almeida Garrett, como o sub título deixa antever, é um livro que se destina a ser lido, especialmente, por pais ou outros educadores de crianças.
Ambos os autores têm vasta experiência no campo do ensino, não se limitam à pedagogia da escola. Os pais devem ser os primeiros auxiliares dos professores, no interesse do desenvolvimento educativo dos filhos.
Assim pensam estes pedagogos e em boa hora deitaram mãos á feitura do livro, que pelo seu conteúdo, interessa tomar conhecimento.
O livro com setenta e oito páginas, formato 16 X 23 cm, é de fácil leitura, como convém nos dias de hoje aos pais, sempre muito apressados, já que têm as suas ocupações profissionais a desempenhar.
Para maior facilidade de leitura o texto do livro foi concebido em parágrafos numerados de um período cada. Cada um aprece em jeito de conselho, que proporciona uma leitura muito simples, pode dizer-se, agradável.
Bem vistas as coisas a obra devia interessar a todos, como me interessou a mim, ainda que exclua a minha qualidade de avô, fiz a leitura com a atenção que os problemas de ensino devem merecer a todos.
Estamos numa época em o próprio Estado parece alhear-se da sensibilidade necessária a decretar leis para o ensino actual.
Também a esses agentes, não faria mal actualizarem-se lendo o livro pensado com a dedicação de quem mostra saber do assunto pela prática transversal a bastantes anos de interesse no campo da prática.
Pelo que genericamente observo, todos sem excepção, precisamos de reciclagem, para que haja ponderação. Trata-te do futuro do país, o que não é de somenos importância.
De qualquer modo, parabéns aos autores, nomes a fixar: Cidália Laranjo e Francisco de Almeida Garrett.

 Daniel Costa

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Mundo e Vida




O PRESENTE TRABALHO FOI-ME SUGERIDO PELA AMIGA SARITA, DO RIO DE JANEIRO, COM OS BLOGUES SAM E DESNUDA, A QUEM O DEDICO AFECTUOSAMENTE


AVC - SEQUELAS

Como é de calcular ficaram sequelas, na aparência parecerei mais novo, porém ficando a fazer tudo, procuro fazê-lo com menos rapidez que anteriormente, os mecanismos são menos espontâneos, há que coordená-los mais com a actividade cerebral.
Durante três meses, diariamente, vinham duas (duas) senhoras darem-me banho, que tinha de tomar sentado, uns tantos dias por semana, uma fisioterapeuta, que começou a aplicar-me terapia nos pés comigo apenas sentado.
Depois andei amparado a um tripé, canadiana, etc.
Passei a vestir-me de pé e não sentado, como o fazia. Cheguei a demorar quinze minutos, contados, a vestir um par de. calças, teimava até conseguir.
Da sala de fisioterapia, recomendaram-me passar feijões pelos dedos oito vezes por dia, o que observei rigorosamente
Fiquei com uma das quatro carótidas sem funcionar, uma arritmia, a hipertensão que tinha, sem saber e nem liguei a uma tensão, de certo modo alta, que se tinha tornado constante.
Apenas renunciei por vontade própria a conduzir automóvel, isto porque andar, por exemplo 50 km, pode produzir cansaço e a consequente desatenção, como nada me tinha acontecido em bastantes anos e muitos quilómetro percorridos, decidi não correr riscos.
Fui recuperando todas as funções vitais, sete anos depois o sorriso, uma das minhas características pessoais e a sensualidade. Da perda destas últimas, sem nunca perder o espírito optimista, já estava conformado.
Porém alguém consegue adivinhar a alegria, que sente alguém, sete anos depois, dar consigo de novo a sorrir?
Depois de ter voltado e escrever no JORNAL DA AMADORA, cerca de um ano antes, onde escrevera esporadicamente. Senti necessidade de entrar num novo mundo, a Internet e dispor de um blog, depois de três experimentações, vi que conseguiria dominá-la um pouco, já que usava PC, desde 1997, para escrever.
Foi assim, que em 20 de Junho de 2006 abri o rudimentar blog mitalaia, no espaço do semanário “SOL”, depois daniel milagre, no blogspot. Alguns dos meus comentadores, felizmente amigos, a quem devo gratidão, não se terão apercebido, que embrulhava muito a escrita, não conseguia postar fotos, não conseguia imaginar e escrever poemas, etc.
No daniel milagre, o post de 31 de Dezembro de 2008, teve 70 comentários. Já então escrevia poesia, repito aqui o poema.

AVENAL

Desafiado pelo Toino Tchim
Um amigão, afinal
Bastantes dias, vinha, cavei
Na quinta do Avenal
Montados nas bicicletas
Íamos pelo Toxofal
Ali na padaria
Na do Carlos padeiro
Ainda madrugada
Adquiríamos o casqueiro
Da primeira fornada
Tomávamos o “Mata-bicho”
A manhã despontava
De bom vinho
A velha cornada
Dizia o caseiro:
Quem se negue, não é homem
Não é nada!...
A seguir iniciava-se a jornada
O caseiro estimulava
A cada nova rodada:
Quem se negue não é homem
Não é nada!...
Mais vinho servido na canada,
O copo feito de corno de boi
Passara a alvorada.
Daniel Costa

Manualmente, fazia uma escrita bonita, hoje apenas consigo, ler eu os apontamentos que escrevo. Vale fixar mentalmente o que escrevo, como já antes acontecia.
O meu lado mental terá melhorado, o que se deverá a uma maior disponibilidade com que fiquei.
Deste então tenho quatro livros escritos em blogues próprios, um a ser já editado.
Considero-os uma ode à tenacidade, ao optimismo e ao amor à vida.

Daniel Costa


quinta-feira, 1 de abril de 2010

Mundo e Vida



O PRESENTE TRABALHO FOI-ME SUGERIDO PELA AMIGA SARITA, DO RIO DE JANEIRO, COM OS BLOGUES SAM E DESNUDA, A QUEM O DEDICO AFECTUOSAMENTE.
AVC – UMA PATOLOGIA DE ESTIMAÇÃO - 1


Como anualmente ocorre, recentemente houve um dia consagrado à patologia AVC – Acidente Vascular Cerebral, cujo tem como objectivo contribuir, fazendo veicular notícias tendentes a que se tomem previdências, pessoais, tendentes a minimizar incidências.
Acontece que no dia 26 de Junho de 2000, foi acometido de um AVC mortal.
Embora tenho podido escrever artigo, em 2006, para o JORNAL DA AMADORA, de que vim a tirar extracto, que pode ser encontrado no meu blog MUNDO E VIDA. Foi em 1906 em que estava a reaprender a escrever, o pouco que sabia e julgo saber. Por um lado, desde então, houve uma evolução acentuada do meu próprio estado motor e mental.
Pude investigar bastante relacionado, porque por alguns meses vegetei, com o meu conhecimento, apenas por sonhos. Sonhos na sua maior parte, que já antes alimentava e que consigo recordar.
Como era e continuo com índole de eterno optimista, essa disposição. Esteve sempre em alta.Terá sido isso que me fará o único vivo, acometido de tão grave abanão.
Ao sentir uma dor no peito, às nove horas da manhã, depois de estar a trabalhar desde as seis, quando me preparava para tomar o pequeno-almoço e a arranjar-me. Fui de imediato rodeado da esposa, que se propôs tomar medidas.
A impressão no peito, já tinha feito a aparição mais vezes. Como descansava um pouco deitado no sofá, a dor ia embora e eu retomava o trabalho, encetei o mesmo, procurei convictamente descansar a mente da esposa.

Foto: Internet

Entretanto, fiquei como que a dormir profundamente. Viria apenas a reconhecer a filha apenas um dia antes de deixar, o hospital, ficava em substituição da mãe para esta não ouvir os meus apelos inconscientes, para me trazer de volta, estava muito preocupado com a revista que editava!
Nesse memo dia lembro-me, talvez inconsciente, de ver a esposa ao longe, como gigante, a retirar-se.
No seguinte reconhecia-a perfeitamente, vinha com a ordem de alta, com uma lista de lares para doentes terminais, com condições médicas e de enfermagem, para me assistirem no fim de vida.
Porém a esposa contra tudo e todos os profissionais hospitalares, com o apoio da filha, ousou trazer-me para casa, com todas as consequências, que teria de enfrentar, acreditava no milagre que veio acontecer.
Foi pago em Fátima, embora não fosse parte da promessa, já senti forças para a acompanhar e fui também.
Duas senhoras vieram diariamente a casa darem-me banho de chuveiro, comigo sentado num banco. Uma fisioterapeuta, veio tratar-me enquanto não me pude deslocar e um centro.
Era correspondente em Lisboa, para a revista Crónica da Afinsa, de Madrid, apenas três meses não saiu qualquer artigo meu. Com a ajuda da filha, revisão da esposa, passaram de novo a ser enviados os artigos mensais.
Ainda em 2001, retomei a minha revista especializada em filatelia, a FRANQUIA, um dos meus sonhos inconscientes do hospital, em estado de semi-coma.
A revista era para mim como uma filha!
A paginação também era da minha autoria. No fim de mais quatro números, por dificuldade de fazer esse trabalho decidi pôr-lhe fim, no único dia em fiquei menos alegre durante todo o processo de recuperação.
O médico veio a dizer-me então, estar um pouco deprimido e receitou um medicamento para obviar.
Eis a minha resposta: Serei o único homem do mundo a quem isso poderá acontecer!
Resolvi escrever mais outro artigo sobre o assunto, para não tornar o presente volumoso, mas escrevo-o como uma feliz aventura de vida rica nesse aspecto.
Esta foi o jogo da própria vida.

Artigos da Internet que interessa conhcerhttp://fotoseimagens.blogs.sapo.pt/8153.html

http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx?contentid=E3C58000-4D79-413F-BDF1-A1043BFD38CD&channelid=F48BA50A-0ED3-4315-AEFA-86EE9B1BEDFF
http://aeiou.expresso.pt/saude-avc-mata-duas-pessoas-por-hora-acao-de-sensibilizacao-alerta-para-importancia-da-prevencao=f573746

SEGUIRÁ EM FUTURO ARTIGO.


Daniel Costa