sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

General Alves Ribeiro

FALECEU
O GENERAL ALVES RIBEIRO

No dia 17 de Dezembro de 2008, ao fazer o meu telefonema de desejos de Bom Natal, para o General João Ramiro Alves Ribeiro, estranhei ser atendido por uma senhora, se bem que, o sabia de saúde débil.
Depois de hesitação, soube que não havia engano. Após identificar-me, tomei conhecimento do infausto acontecimento.
Como é o mundo?
Há cerca de três anos, comecei a escrever uma série de artigos, no “Jornal da Amadora”, a que dei título genérico de “ESQUADRÃO 297 EM ANGOLA.” Como foi Comandante, ainda Capitão, dessa unidade que integrava, enviei-lhe artigo.
Passados uns dias telefonou-me admiradíssimo, porque soubera do grave problema patológico, que sofrera. Quem lhe transmitiu a notícia, deu-me como a finar-me, disso dera conta a vários amigos e agora?
Disse: bem, afinal és tu mesmo!... Vou telefonar a quem disse, já não pertenceres a este mundo a desfazer a notícia.
De Facto, não sendo, nem pouco mais ou menos, militarista, aprecio o profissionalismo. Nesse aspecto Alves Ribeiro era um Comandante militar completo, a organizar e a comandar.
Na minha deambulação, na Internet encontrei, apenas duas webs, que se lhe referem, que não tenham passado pelo meu blogue mitalaia.
Como Coronel, está referenciado como antigo Comandante.
Como General, foi agraciado com a ordem de Avis.
Residia em Santarém.
Presto-lhe a minha homenagem, trazendo aqui uma referência que lhe fiz, em “O MITICO MORRO DA PEDRA VERDE”, publicado no “JORNAL DA AMADORA”.
Como é dito, o caso passou-se a 5 de Abril de 1963. No primeiro almoço de confraternização, ocorrido em Torres Novas, creio que em 1976, o então Major Alves Ribeiro, disse que em sua casa esse dia, era como de fosse de luto.


Aconteceu uma verdadeira tragédia de guerra, que se irá contar sem truques de ficção, como é recorrente desta narrativa.
Começa pelo Comandante do Esquadrão, Alves Ribeiro, a subir à camioneta civil, principal acidentada, porque terá entrado na zona mais nevrálgica, atingida por uma granada incendiária. Transportava apenas sacos de campanha, Mausers e outros pertences de soldados. Tudo ardia e o então Capitão, homem alto, no meio daquela amálgama de fumo, tomou a dianteira a trepar, atirando ao solo todo o material em combustão.
Onofre sempre atento a todos os pormenores, que alcançasse pôde testemunhar esse verdadeiro acto de bravura, deixando assim de ficar ignorado, como muitos outros o foram nas últimas campanhas militares, que a juventude portuguesa protagonizou durante cerca de treze anos em África.
Foi uma grande odisseia este cinco de Abril, porque se passava o dia mais marcante em más recordações, para todos os intervenientes do Grande Esquadrão.


Daniel Costa

3 comentários:

EternaApaixonada disse...

*****

Consegui um pc para ainda deixar um abraço amigo!

Obrigada pela amizade neste ano!
Obrigada pelas visitas amigas!

Que neste Natal a esperança de um mundo melhor se concretize em 2009!

Até minha volta!

Meu carinho...

Helô

Sintonias do Coração

ETERNOS SONHARES

Coisas da Helô ©

*****

Ricardo Valente disse...

Não conseguiria ter mais, que 1...... blog! Abraço!

A. João Soares disse...

Embora a notícia estivesse para surgir mais dia menos dia, devido ao seu estado de saúde, fiquei agora a saber. Perde-se um Homem sério, humano, para quem as pessoas valiam mais do que as circunstâncias. Infelizmente para todos nós, não são vulgares pessoas deste quilate. Pensava nos outros ao ponto de esquecer que estava a entrar numa zona de risco para ele próprio. Não se subjugava ao «politicamente correcto» a não ser se nisso houvesse interesse legítimo para os seus semelhantes.
Paz à sua alma e os meus sentimentos e solidariedade para os familiares.
A. João Sopares