segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

FIGURA

FIGURA INESQUECÍVEL

Esta galeria serve para ir recordando pessoas, que me merecem esse respeito. Está neste caso está Francisco Bento, gerente de uma das muitas firmas onde trabalhei, de quem dependia directamente, visto que movimentava todo o expediente.
A empresa era uma sociedade, de que faziam parte cinco associados: Francisco Bento, e Robert, gerentes efectivos, Aquilino Mendes, cineasta ao serviço da televisão, herdeiros da Ulisseia Filmes e um tal Figueira, com grande participação no capital do Parque Mayer, também estes figuravam como gerentes, mas só para receberem o salário em casa.
Só conheci os três primeiros, porém o terceiro fez uma visita.
A assinatura de cheques obrigava um dos gerentes não efectivos, para isso fazia-se deslocar alguém à sua residência.
Ainda me faltariam cinco anos para chegar aos trinta e vou apresentar apenas dois casos a ilustrar o quanto o meu trabalho era apreciado pelo gerente Francisco Bento, além de que ninguém ousava pôr em causa a minha eficácia de trabalho, na frente do Bento.
A primeira, muito simples: Um amigo pessoal, associado de um laboratório farmacêutico, fez ali uma visita, diga-se de pura cortesia, conversaram longamente.
Depois, apenas como justificativa, trazia no bolso o original de uma gravura para executar, para o que fui chamado, ouvindo as desnecessárias recomendações, por ser tudo habitual. Havia uma de transcendente importância, o original era único. Arrumei-o no armário, para depois o inscrever na habitual papeleta de trabalho, consoante o fosse fazer para outras obras.
Aconteceu, creio que pela única vez, do original minúsculo, só me voltei lembrar dias mais tarde, mas em sonho, pode não parecer verídico, mas aconteceu!
Assunto que me caberia resolver sozinho, a circunstância de ter a ver com o gerente, obrigou-me a informar consultando-o.
Este, apesar de se lembrar da recomendação, tranquilizou-me, aconselhando-me a fazer o meu telefonema, dizendo que ele não podia saber, senão até me podia despedir.
Resultado:
- Dias depois apareceu a solução, directamente da gerência do Laboratório!
- Tinham arranjado novo original, podia mandar buscá-lo.
Outra - determinada agência de publicidade, tinha sido encarregue de promover novo produto, para o que havendo publicidade nos jornais, ali foram executadas todas as zincogravuras, já que ao tempo, eram impressos em tipografia.
As colunas de cada jornal tinham as suas medidas padrão, que a empresa conhecia e tinha espalhadas pelas secções. Aconteceu o impensável, depois de executadas verificou-se, que as medidas estavam erradas. O prejuízo era de quantia elevada, convém recordá-lo, cerca de vinte e três mil escudos.
Os chefes, em rápida reunião, foram admoestados. Entretanto, dera uma volta aos meus apontamentos, tinha a impressão que o erro acontecera na entrada para as oficinas. Não encontrei nada, mas fui admitir que tudo partira do escritório.
Saltou o Francisco Bento muito peremptório: Você não tem culpa de nada, mesmo que tenha dado mal a entrada! Todos têm as medidas das colunas dos jornais e o nome aos quais se destinavam, estão escritas no próprio original.
O ambiente estava turvo!
Dias mais tarde consegui encontrar provas da minha culpa, mas achei por bem não evocar mais o assunto que, como não podia deixar de ser, estava sanado.

Daniel Costa

3 comentários:

Ana Lucia disse...

Olá Daniel!!

Através do blog da Criss chegamos até o seu, gostamos do que vimos.
É muito bom relembrar amigos, pessoas, lugares, fazer um resgate as nossas memórias. Parabens!

Deixamos o endereço de nosso espaço, se quiser passar lá, será bem-vindo.

Ana Lucia disse...

Eita, voltamos para deixar os endereços, pois esquecemos, perdão.

http://momentos-de-amor.zip.net/

http://fasciniusangels2.zip.net/

EternaApaixonada disse...

*****

Mais uma homenagem linda!
E assim, vamos conhecendo um pouco sua história, além de nos encantar com fatos dela!

Beijos

*****