quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Mundo e Vida




ROTEIRO DA PINTURA PORTUGUESA


Com a designação em título, o Museu Nacional de Arte Antiga, editou em 1968, um livro em tipografia, com um caderno de extra-texto de 36 páginas a 4/1 cores.
Imprimiu a Comp. e imp. na GRÁFICA PORTUGUESA, LDA. – Rua Nova do Loureiro, 26 – Lisboa.
As fotogravuras em zinco foram executadas na Fotogravura União, com entrada, na altura, na Travessa das Mercês, 46 S/L.
Naturalmente, porque a tiragem era pequena, saia menos onerosa, a impressão em tipografia, cujo sistema ainda funcionava, mesmo para todos os jornais.
As imagens são de quadros famosos, existente no Museu citado de que se executaram “slides”, do que se reproduziram fotolitos, que depois postos em contacto com o zinco e por meio de arco voltaico, a que se adicionavam carvões (designavam-se assim), emitindo uma luz extraordinariamente potente a fazer aderir os ditos.
A seguir uma máquina gravava. Restava o gravador, normalmente um artista de sensibilidade, com os seus pincéis na sua bancada, para dar o devido contraste aos quatro zincos, cada qual representado uma cor, ou sejam a quatro cores primárias: amarelo, azul, magenta e preto.
Gravuras entregues e o impressor ficou um trabalho de muita responsabilidade. Foi pedindo pareceres ao próprio chefe da oficina da Fotogravura, que realmente era um verdadeiro mestre. O impressor, também bastante competente, não hesitou em demonstrar a humildade de ir pedindo opiniões.
Finalmente, o impressor levou ao mestre um livro de oferta.
Desempenhando o lugar de coordenador das entradas e saídas de todas as obras, tendo obtido a amizade do impressor, alguém de carácter, mostrei certa pena de não ter sido contemplado, uma vez que ia fazendo a minha pequena biblioteca.
Fui entendido, mais inquirido mostrei interesse, ainda que apenas nas gravuras legendadas. Como resposta, ouvi hum!... Também tinha pensado em si, porém não me foi possível mandar fazer mais livros completos, com as sobras!
Aconteceu que de tarde, estava ele a entregar-me apenas, os extra-textos encadernados.
Foi o que pude arranjar!... Disse.
São as 18 gravuras de quadros, que compõem o caderno que passo a apresentar:







































                                     











Daniel Costa (texto)


2 comentários:

Nena disse...

Parabéns Daniel pelo roteiro de divulgação da cultura portuguesa, rica de detalhes na sua arte plástica. Continue com sua divulgação.
Beijos natalinos.

Vera disse...

Olá Daniel
Recebi o link do blog pelo Sonico e vim até aqui para prestigiar o teu lindo trabalho.
Brasileiros e portugueses são irmãos!
Tenha um Ano Novo cheio de paz, sáude e alegrias...
Beijosss