terça-feira, 5 de outubro de 2010

O PRIMEIRO LANÇAMENTO DA EDITORA ALFARROBA

O PRIMEIRO LANÇAMENTO
DA EDITORA ALFARROBA

Teve lugar, no dia dois de Outubro na Casa Museu – Dr. Anastácio Gonçalves, na Rua 5 de Outubro, o primeiro lançamento de um livro, que deu início à actividade editorial da nova editora ALFARROBA, “Um Brinquedo para Aglael e Daimon”, da autoria de Eugénio Bernardes, pseudónimo de José Artur da Costa Cabral, ilustre Engenheiro, Investigador.


Ao centro o autor, ladeado à esquerda pela esposa,
à direita pela representante editorial

O livro é o que se poderia chamar dois em um. Ambos são autobiográficos, o primeiro consta do nascimento e vida em Moçambique; o segundo da vida de estudante ultramarino em Lisboa e Amesterdão.
Deixo um episódio nele inserido:

“Num fim de tarde, estava Eugénio a conversar com alguns amigos no passeio em frente ao Império, quando do outro lado da Almirante Reis passou uma senhora, daquelas que Eça escreveria com prazer, com o peito a querer saltar do vestido decotado, a cintura estreita e as ancas largas, um espanto de mulher. Andaria pelos trinta e poucos anos, as pernas compridas, que se adivinhavam esbeltas, a saírem de uns sapatos de salto alto. A”malta” não se conteve e assobios variados aprovavam a beleza das suas formas…
“Fuii… fuiiiuuuu. Um rapaz, que habitualmente por ali andava habitualmente, disse:
“É chato… pá, e ante a nossa perplexidade esclareceu, como que a desculpar-se:
“Vocês são uns chatos, porra! É a minha mãe!” Já não havia nada a fazer. A sua mãe era boa como o milho, e ele, se não sabia ficou a saber. Pior seria se fosse um estafermo, esteve prestes a dizer-lhe, mas não disse."

O lançamento ocorreu com a presença de bastantes ex-colegas e amigos do meio. Bastantes, senão todos, originários de Lourenço Marques (a actual cidade de Maputo), capital de Moçambique.
Convidado e estar presente, pela coordenadora editorial, apreciei o acto e as várias palestras, revelações interessantes.
O livro e o seu conteúdo, assim como várias incidências nele contido, começou por ser apresentado pela esposa do autor, depois por Andreia Salgueiro, a representar a editora Alfarroba.
Por fim teve a palavra o autor.

Daniel Costa

2 comentários:

xistosa - (josé torres) disse...

Mais uma editora.
Será que vai ficar mais fácil publicar um livro?
Com as adversidades que era normal ter que vencer e convencer, só os consagrados tinham/têm direito.
Talvez a época seja um pouco fraca, mas é nas crises que quem tem "olhos na cara" consegue vencer os contras.

Um abração.

Chica disse...

Sucesso então ao autor e editora!

Todos precisam!

abraços,chica e tudo de bom!